Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Peditórios a mais!

Post escrito com teclado avariado.


Com a chegada do N. de férias, fomos comprar os produtos básicos de alimentação, uma vez que o frigorifico estava meio vazio. Como estávamos a precisar de um cabo para a nossa TV, decidimos ir a procura nos hipermercados e lojas de electrodomésticos.

 

Como na minha zona há todos os supermercados e lojas de electrodomésticos e mais algumas, optamos por entrar logo no primeiro que nos surge no caminho. Chamemos-lhe o vermelho ( que ninguém me paga para fazer publicidade!).

 

Entrámos na parte da venda de electrodomésticos e mal pusemos um pé na loja fomos logo cravados para um peditório não sei de quê, e nem para quê, e tínhamos que comprar um boneco. Eu, apanhada de surpresa, fiquei meia sem reacção e respondi “já se vê… isto anda mau”. Achei que esta era uma resposta delicada para não dizer imediatamente que não.

 

Fui `a procura do que ia comprar – que não encontrei – e a saída sou abordada, novamente, pela tal senhora do peditório. Respondi-lhe “desculpe” nem sei porquê e segui em frente para a parte da alimentação. Ainda não tinha andado 3 ou 4 metros, quando somos novamente abordados, desta vez por duas fulanas. Mais um peditório para não sei quem para contribuirmos para a causa não sei quantas. E mais uma vez para comprar mais uma “merdice” qualquer. Ainda não tínhamos tido tempo de respirar de um peditório, já estávamos a ser cravados para outro! Desta vez foi o N. a safar-nos da situação.

 

Como não encontramos o tal cabo eléctrico que nos fazia falta, fomos a outra loja de electrodomésticos. Chamemos-lhe não-sou-parvo. Ainda mal tínhamos tido tempo de colocar um pé dentro da loja, já estávamos a ser cravados para ajudar não sei quem comprando mais um boneco. Voltamos a dizer que não, que as coisas estavam mas (e estão, como já devem ter lido aqui) e que estava desempregada. Mas esta senhora achou que pelo facto de irmos comprar o cabo, estávamos a fazer uma despesa enorme e a saída, como nos não contribuímos, ainda respondeu com uma grande lata “pois, já vi que contribuíram para vocês”. Estava a ver que o N. se virava e lhe ia as fuças…

 

Hoje, tive de ir fazer mais umas compras básicas e no meio do corredor do supermercado – aquele que diz “sabe-bem-pagar-pouco” – sou interpelada por uma senhora a perguntar se não quero medir a tensão. Aqui a Pepper Maria que cai em todas e mais alguma, disse que sim. Pensei que fosse alguma campanha de rastreio. Quando me aproximo da mesa onde estavam a fazer a medição, percebo logo, pela conversa da pessoa que estava ser medida, que aquele era mais um peditório e que se tinha de comprar um porta-chaves. Pisguei-me sem dar cavaco a ninguém.

 

Só vos digo que fiquei saturadíssima. Se eu tivesse contribuído para todos tinha gasto alguns 20 euros ou mais. e que estas “merdices” custavam a volta de 5 euros cada uma! E a assertividade e marketing agressivo destas senhoras se fosse utilizado pelo Passos Coelho para salvar a patria, era em menos de um farelo que saiamos da crise.

 

Contribuir para causas sim. Mas para as que eu quiser e não mediante uma quantia obrigatória. As coisas estão más para todos mas se pudermos contribuir com pouco, sempre damos uma ajuda. Ah e não e a pegarem-nos por um braço e meterem-nos “uma faca ao pescoço”...